Congresso discute consequências da reorganização do trabalho na América Latina

Este ano as discussões estão voltadas para a Reforma da Previdência,
Trabalho Mediado por Aplicativos, Negligência e Descaso com a Saúde e
Segurança do Trabalhador, Impasses na Saúde, Diversidade e Educação,
aprofundando a análise da crise que vivemos no mundo do trabalho
O Congresso Internacional de Ciências do Trabalho, Meio Ambiente, Direito e Saúde: acidentes,
doenças e sofrimentos do trabalho – de 26 a 30 de agosto, em São Paulo -, terá como tema
central este ano os ataques e tentativas de destruição de direitos sociais que ocorrem nos
últimos anos de forma intensa e indiscriminada em vários países da América Latina, e de forma
particular e incessante no Brasil.
No primeiro dia, será discutido o instigante tema sobre “O mundo do trabalho e caminhos de
luta pelo Direito: existem?”, com Jorge Luiz Souto Maior, professor da Faculdade de Direito da
USP e desembargador da Justiça do Trabalho, Magda Barros Biavaschi, desembargadora
aposentada e pesquisadora do Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho,
Maximiliano Nagl Garcez, presidente da Associação Brasileira de Advogados e Advogadas
Sindicais, entre outros ainda não confirmados.
O programa prevê um dia inteiro, o dia 27, para debater a destruição da Seguridade Social, em
discussão no Congresso Nacional. De manhã, a mesa “Seguridade Social e Saúde: saúde é
direito e todos e dever do Estado. Interesses conflitantes”, terá a participação de três grandes
nomes da Saúde Pública no Brasil: Ligia Bahia, Professora da Faculdade de Medicina e do
Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o ex-ministro da saúde
Alexandre Padilha, atualmente deputado federal, e Gastão Wagner, professor da Faculdade de
Ciências Médicas da Unicamp, que também ocupou o cargo de Secretário Executivo do
Ministério da Saúde, que debaterão nós críticos sob a coordenação de Silvio Caccia Bava,
editor do Le Monde Diplomatique.
À tarde os economistas Eduardo Moreira, ex-banqueiro de investimentos, Paulo Kliass,
especialista em políticas públicas e gestão governamental, e Carlos Gabas, servidor de carreira
e ex-ministro da Previdência Social, analisam as propostas em discussão no Congresso
Nacional, na mesa “Seguridade Social e Previdência Social: a reforma do governo não combate
privilégios e sacrifica quase 100% da população brasileira”, com mediação de Glauco Faria,
âncora do Jornal Brasil Atual.

As discussões se ampliam no dia 28, e abordam as consequências para a população da
proposta neoliberal na mesa “Crimes ampliados: Samarco e Vale, expressões dramáticas
recentes da ganância do capital e da falácia da gestão como solução”, pela manhã, com a
participação da advogada Tchenna Maso, membro da coordenação do Movimento dos
Atingidos pelas Barragens (MAB); e do engenheiro Mario Parreiras de Faria, auditor fiscal do
trabalho que participou das investigações de 4 rompimentos de barragens no Brasil.
À tarde, o cineasta Carlos Juliano Barros, o Caju, autor do documentário GIG – Uberização do
Trabalho, exibido na 8ª Mostra de Cinema Ecofalante 2019; Luci Praun, professora da
Universidade Federal do ABC (Ufabc) que pesquisa a reestruturação produtiva provocada pela
automação e o adoecimento de trabalhadores; Ricardo Antunes, professor da Unicamp e
Rodrigo Carelli, procurador do trabalho e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro,
abordam as relações no trabalho gerenciado por aplicativos numa roda de conversa sobre o
tema “Uberização no mundo do trabalho : repercussões na vida das pessoas”. A mediação
será do jornalista Piero Locatelli.
O dia seguinte começa com o tema “Saúde do Trabalhador: expressão do conflito capital
versus trabalho”, com o médico especialista em saúde do trabalhador, Francisco Lacaz ,
Gilberto Almazan, dirigente sindical e Mirian Pedrollo Silvestre, médica do Centro de
Referência em Saúde do Trabalhador de Campinas. Os três contarão com a mediação do
jornalista Renato Rovai, jornalista, diretor de redação da Revista Fórum e responsável pelo
Blog do Rovai.
Os movimentos sociais entram na pauta à tarde, a partir das 13h30, na mesa “A humanidade
policromática assim como ela é: quando as águas se encontram”. Os convidados representam
um amplo espectro social: a ativista feminista e de direitos humanos Amelinha Teles, com
militância política histórica entre os grupos guerrilheiros nos anos de 1970; o coordenador do
Centro de Referência para Refugiados da Cáritas Arquidiocesana de São Paulo, Cleyton Abreu;
a drag queen, apresentadora e youtuber Rita von Hunty, criada pelo ator, professor e
pesquisador Guilherme Terreri; a professora aposentada da UFRJ, Izabel Maria Madeira de
Loureiro Maior, militante dos direitos de Pessoas com Deficiência (PCD) e o pastor Ariovaldo
Ramos, um dos fundadores e coordenador da Frente Evangélica pelo Estado de Direito.
Mediando as discussões, o jornalista Antonio Junião, jornalista e cartunista da Ponte
Jornalismo.
A necessária visibilidade dos acidentes, doenças e sofrimentos decorrentes do trabalho
continua na pauta do Congresso, este ano a partir de três apresentações na mesa “Acidentes,
doenças e sofrimento no trabalho: visibilidade social. Experiências de Campinas e São
Bernardo do Campo”, no dia 30. A coordenação da mesa ficará a cargo de Andreia Conto
Garbin, professora da PUC-SP, do Mackenzie e coordenadora da vigilância à saúde de
Diadema. A primeira abordagem será feita pelo procurador Mário Antônio Gomes, da
campanha “A Dor Pode Te Marcar”, iniciativa da Procuradoria da 15ª Região do MPT-
Campinas, com o apoio da Prefeitura Municipal de Campinas e do Centro de Referência
Regional em Saúde do Trabalhador. O objetivo da campanha é chamar atenção para a saúde
física e mental do trabalhador, destacando a existência de doenças motoras e transtornos
mentais causados por atividades de trabalho que podem acarretar marcas permanentes na

vida do trabalhador. Entre outras ações, foi instalado o primeiro “Acidentômetro do Trabalho”
do país, que mostra, em tempo real, os principais dados sobre acidentes e doenças do
trabalho.
A outra apresentação será feita por Eliana Pintor, mestre em Psicologia da Saúde, ex-
coordenadora do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de São Bernardo do Campo e
Interlocutora de Saúde do Trabalhador no ABC paulista pela Secretaria de Estado da Saúde de
São Paulo. Ela contará em detalhes a experiência desenvolvida no município de São Bernardo
do Campo, com o objetivo de dar visibilidade à violência cotidiana dos ambientes de trabalho
que se traduzem em acidentes, doenças, maus tratos de toda ordem pela Frente Municipal de
Prevenção e Enfrentamento da Violência no Trabalho, formada por vários sindicatos, Pastoral
Operária, o Programa Cidade de Paz e o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de São
Bernardo do Campo.
A magistrada Delaíde Alves Miranda Arantes, ministra do Tribunal Superior do Trabalho,
participa da mesa, com a apresentação das ações e atividades ligadas ao Trabalho Seguro –
Programa Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho, do qual é coordenadora e que,
desde 2012 se estruturou nacionalmente, com a participação de gestores nacionais, regionais
e interinstitucionais. De origem simples, Delaíde trabalhou como doméstica e vendedora de
tratores para pagar a faculdade e depois de formada, voltou-se para a advocacia trabalhista e
se dedicou a intensa militância nos movimentos sociais. Como magistrada, levou essa
experiência para o Tribunal Superior do Trabalho, cargo que ocupa desde março de 2011 por
indicação da OAB e nomeação da ex-presidente Dilma Rousseff.
O evento inclui a busca por caminhos de luta pela garantia dos direitos, raízes da negligência e
do descaso com a vida, a segurança e a saúde de quem produz as riquezas, a necessidade do
resgate da educação e da cidadania, e ainda um debate sobre a diversidade inerente à
humanidade. Outros nomes serão confirmados nos próximos dias.
O Congresso Internacional de Ciências do Trabalho, Meio Ambiente, Direito e Saúde acontece
desde 2012 como uma resposta às dificuldades de mobilização e intercâmbio – de ideias e
forças – dos vários grupos envolvidos no mundo do trabalho no Brasil e nos demais países da
América Latina. Voltado para a compreensão das transformações nas relações de trabalho em
virtude de mudanças tecnológicas que alteram a organização e a gestão do trabalho, procura
discutir e propor avanços no aprimoramento de políticas públicas de proteção de direitos
sociais e humanos, dentre os quais o direito ao trabalho digno, ao meio ambiente e à saúde.

SERVIÇO:
6º Congresso Internacional de Ciências do Trabalho, Meio Ambiente, Direito e Saúde:
acidentes, doenças e sofrimentos do trabalho
Promoção: Associação Brasileira de Advogados e Advogadas Sindicais (ABRAS), Departamento
Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho (DIESAT),
Departamento de Direito do Trabalho e da Seguridade Social da Faculdade de Direito da USP
Data: 26 a 30 de agosto de 2019
Local: Salão Nobre da Faculdade de Direito da SP – Largo São Francisco, 95, Centro. São
Paulo/SP
Inscrições: clique aqui

Mais informações: Site do Congresso
Assessoria de Imprensa: Lilian Primi.
Fone: (011) 99231-5585

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *