Aprópria casa não é o lugar mais seguro para uma pessoa LGBT. A constatação vem de levantamento de casos de violência interpressoal e autoprovocada que foram atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) entre 2015 e 2017.

Dos 24.564 casos registrados, 61% ocorreram no domicílio da pessoa. Em segundo lugar vem a via pública, com 20,6%.

Veja a matéria completa no site Guia Gay Brasília, parceiro do Metrópoles.

Fonte: Metrópoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.